HomeHome  RTIRTI  PortalPortal  FAQFAQ  SearchSearch  RegisterRegister  UsergroupsUsergroups  Log in  
Navigation
 Portal
 Index
 Memberlist
 Profile
 FAQ
 Search
Search
 
 

Display results as :
 
Rechercher Advanced Search

Share | 
 

 Processos de recauchutagem

View previous topic View next topic Go down 
AuthorMessage
zeca4x4



Number of posts : 422
Localisation : Lx
Registration date : 2006-11-09

PostSubject: Processos de recauchutagem   Wed Sep 24, 2008 3:32 pm

Processos de recauchutagem


RECAUCHUTAGEM DE PNEUS



1- INTRODUÇÃO

A recauchutagem ou reconstrução de pneus, consiste fundamentalmente em aproveitar a estrutura resistente do pneu gasto (liso), desde que esta esteja em boas condições de conservação, e incorporar-lhe nova borracha de piso , por forma a que este ganhe outra vida.

Em média esta operação, é efectuada uma vez para pneus de veículos ligeiros, duas a três vezes em pneus pesados ou industriais, e cerca de dez vezes em pneus de avião.

Com esta operação, o pneu mantém basicamente as mesmas características técnicas e de comportamento do pneu original, a custos muito inferiores. Relativamente ao pneu novo, poupamos cerca de 75%, quer a nível de matéria prima como a nível energético, o que se traduz simultaneamente numa poupança económica e ambiental.

2- A importância da recauchutagem

A reutilização de pneus contribui hoje, em larga escala, para uma requalificação dos resíduos industriais, impedindo que sejam colocados nos aterros, incinerados ou espalhados pela paisagem. Sendo reutilizados, permitem uma nova vida através da recauchutagem, sendo por isso a indústria de recauchutagem de certa forma amiga do ambiente.

A recauchutagem aumenta a vida útil do pneu em 40% e economiza 80% de energia e matéria-prima em relação à produção de pneus novos.

O pó da recauchutagem e os restos de pneus moídos podem ser aplicados na composição de asfalto de maior elasticidade e durabilidade. A possibilidade é de que 15% a 20% do asfalto sejam feitos com o material, segundo dados do Compromisso Empresarial para a Reciclagem (Cempre - Brasil).

3- Breve descrição do processo produtivo

Para se compreender melhor o processo, é útil conhecer as partes constituintes dum pneu, que se indicam em seguida:

Banda de rodagem: É a parte do pneu que toca directamente o solo. Os seus desenhos proporcionam aderência, tracção, estabilidade e segurança ao produto.

Carcaça: Também chamada de esqueleto, deve resistir ao peso e a choques, além de evitar a perda de pressão do ar.

Cinta: Lonas estabilizadoras que são dimensionadas para suportar cargas em movimento. Garantem a área de contacto necessária entre o pneu e o solo.

Flancos: Laterais da carcaça que são revestidas por um composto de borracha de alta resistência.


Sulcos: Cavidades projectadas para evitar deslizamentos. Geram tracção entre o solo e o pneu e, por meio das cavidades, são escoados água e detritos.

Talão: Responsável por fixar o pneu à roda. É um feixe inelástico, mas flexível de arames de aço de grande resistência isolados com borracha.

O processo produtivo tem como produto final, o pneu reconstruído.

Pode ser considerado como um processo de reciclagem que utiliza pneus usados (com o piso gasto), como uma das principais matérias primas.

A recauchutagem pode ser dividida em 10 etapas, as quais na sua maioria são executadas com máquinas e equipamentos de alta tecnologia.



3.1- Principais operações no processo produtivo

1- Recepção e Armazenagem

Os pneus usados (com o piso gasto), são armazenados e identificados pelo nome do cliente ou número.

2- Inspecção Inicial

Os pneus a recauchutar devem obdecer a rigorosos parâmetros de análise, sendo fundamental a qualidade da carcaça para a aceitação da recauchutagem. Assim não podem ser recauchutados pneus usados com defeitos que possam colocar em risco a rodagem posterior. Os testes de verificação no fabrico e na rodagem permitem um elevado controlo de qualidade para que um pneu recauchutado possa efectuar uma circulação em tudo idêntica à de um pneu novo.

Os pneus são sujeitos a uma análise pormenorizada ao seu estado de conservação, verificação da existência de cortes, falhas, zonas frágeis e idade do pneu. Os pneus em bom estado, podem seguir directamente para o processo produtivo.

Os pneus de automóveis estão usualmente limitados a um uso. Se estiverem em boas condições, podem ser recauchutados uma vez.

Os pneus não recauchutáveis podem-se reciclar ou aproveitar para outros fins.

A inspecção da carcaça é a etapa determinante para o sucesso da reconstrução, visto que o seu principal objectivo é detectar defeitos e anomalias na qualidade da carcaça. A má selecção e avaliação impróprias resultam em perda de material, tempo, insatisfação e descrédito do consumidor final

3- Raspagem

Esta operação consiste na raspagem da superfície do pneu, para remover a banda remanescente, por forma a definir a geometria do pneu, e preparar a textura da superfície para receber a nova borracha, configurando a carcaça no diâmetro, contorno e textura de raspagem adequada à aplicação do anel RTS.

Utiliza-se para esta operação um torno de raspa computadorizado que exige pré-selecção de raio de raspagem e circunferência, eliminando possíveis erros de dimensionamento operacional.

4- Aplicação da Cola

A cola é aplicada no pneu raspado, fazendo aumentar desta forma, a adesão da banda de borracha, que colocada no pneu, formará um novo piso.


5- Reparação

Todas as avarias detectadas nas carcaças, causadas quando de sua utilização, são reparadas através de escoriações, procedimento esse executado conforme orientações técnicas sugeridas pelas empresas fabricantes de pneumáticos.

6- Enchimento ou Aplicação do Piso

A aplicação de um novo piso no pneu, é feita de acordo com o tipo de vulcanização a utilizar, recauchutagem a frio ou recauchutagem a quente.

No processo a frio, a banda de borracha pré-moldada é colocada no pneu, já com o desenho gravado. No processo a quente, a banda de borracha não vulcanizada, é aplicada no pneu, que segue posteriormente para as prensas que lhe conferem a forma e desenho finais.

A aplicação, centralização e roletagem do anel são executadas por uma máquina computadorizada (Ring Tread 1000), com eficiência e precisão, acomodando o anel sem tensões ou deformações, permitindo assim, harmonia entre a banda de rodagem e carcaça, proporcionando um balanceamento e acabamento perfeito.

7- Vulcanização

A vulcanização é processada em autoclave automatizada permitindo aderência perfeita dos anéis às carcaças. Trata-se de um processo de formação de ligações cruzadas, durante o qual se desenvolve uma estrutura tridimensional a partir das moléculas do polímero individual nos pontos em que pode ser realizada a reacção com o agente de vulcanização.

Os factores tempo, temperatura e pressão que são fundamentais para preservação da estrutura original das carcaças, são controlados com eficiência e precisão.

Existem basicamente dois géneros de vulcanização: o método a frio, destinado a autocarros e camiões; e o remold, ou método quente, para carros de passeio.

No processo a frio, é necessário introduzir o pneu em envelopes de borracha, onde por acção de vácuo seguido de pressão e temperatura, se promove a adesão do piso ao pneu.

No processo a quente, o pneu é introduzido em moldes aquecidos a vapor, adquirindo o perfil do piso pretendido. Devido à temperatura de vulcanização (cerca de 150º), a borracha sofre uma espécie de cura, passando de um material pastoso, para um material sólido com características elásticas.

O pneu remold é reformado de talão a talão, e não apenas na banda, como ocorre no processo de recapagem comumente usado nas borracharias. Alguns fabricantes asseguram que a colocação de borracha do remold garante durabilidade superior à dos pneus recauchutados convencionais.

Em ambos, a carcaça não pode ter a lona afectada (o que, num processo de recauchutagem de qualidade, inviabiliza o pneumático para esse fim). Nos dois tipos de reciclagem, o pneu é raspado, para que sejam corrigidas as imperfeições; e, em seguida, recebe o material sintético na banda e no acabamento.


8- Inspecção Final

Finalmente, procede-se ao exame final rigoroso dos pneus já reconstruídos, obedecendo aos padrões técnicos e exigências das normas, para detecção de eventuais defeitos de moldagem ocorridos no processo de vulcanização, proporcionando segurança, garantia e alta performance.

Acabamentos

São eliminadas as rebarbas resultantes da moldagem, e procede-se à pintura da superfície do pneu



9- Rotulagem e Expedição

Após identificação do pneu de acordo com as suas características, procede-se ao seu armazenamento e consequente expedição para o cliente proprietário do pneu.

_________________
http://zeca4x4.blogspot.com/

http://zeca4x4.no.sapo.pt


Last edited by zeca4x4 on Wed Sep 24, 2008 3:57 pm; edited 3 times in total
Back to top Go down
View user profile http://www.zeca4x4.no.sapo.pt
zeca4x4



Number of posts : 422
Localisation : Lx
Registration date : 2006-11-09

PostSubject: Re: Processos de recauchutagem   Wed Sep 24, 2008 3:33 pm

The first element of tire retreading involves the casing preparation and the first element of this involves an inspection of the tires.

Initial inspection of tires is carried out visually with the aid of high-intensity lights magnifying any shadows caused by irregularities. All significant cuts are assessed for severity, and — where necessary — non-destructive testing (NDT) is carried out. Any major repairs required, separations, run-flat injuries, or exposed areas of cord will most likely cause the tire to be rejected at this point.

Any remaining tread is then removed in the buffing stage, and the tire is profiled to standard crown radius. In a three-stage process, the tire is brought back to a clean, smooth buffed surface.

The side-rasping or skiving process basically is hand buffing all the areas that the larger machine is not capable of reaching without removing large sections of the tire. It is at this stage that all stone penetrations, cuts, and minor belt abrasions are cut out. It is often where the real damage to a tire is found and where the decision to retread or reject a tire is finalized. Once past this point, the tire will not touch the ground until it is finished.

Any exposed steel is then cleaned and treated to prevent oxidization and to allow a bond between the steel and the fresh rubber.

All cracks, cut outs, and voids in the shoulder area are filled with rubber in preparation for building. Once this is completed, the tire is wrapped in cushion gum, which is basically a highly adhesive natural rubber compound. This creates a very strong bond between the casing and the new rubber on the retread.

Once the tire has gone through the casing preparation, it is ready for retreading. There are many different types of retread processes available, including the following:



Pre-cure

This is also known as the cold cap process. After casing preparation, the tire is wrapped with a single layer of pre-cured rubber with the tread pattern stamped into it prior to going on the tire. The tire is then inserted in a vacuum-sealed tube and cured in an autoclave.

Advantages

Colder curing temperature required;
Simple to create complex tread patterns; and
Reduced labor content.


Disadvantages

Single seam in tread creates weak point at join;
Limited tread depth possibilities;
Limited compounding options;
High rubber cost; and
High operating temperatures may affect materials required for bonding at lower temperatures.



Strip wind extruder

In this retreading process, rubber is “spun” onto the tire in a continuous thin strip producing a slick finish. The tire is then grooved to the desired tread pattern then cured in an autoclave.

Advantages

Is not affected by casing variation;
Rubber is applied continuously — there is no weak point in the tread;
Tread patterns can be easily customized;
Labor efficient process; and
Cheapest form of OTR retreading.


Disadvantages

Limited compounding options, machinery involved can only use softer compound of rubber;
Heat stresses applied to casing during curing will further develop flaws in older tires; and
Worst wearing retread.



Remold

In this process, rubber is applied to tire using a strip wind extruder, then placed in a mold, inflated, and cured. The rubber virtually liquefies during this process to flow into the mold and to produce the tread pattern.

Advantages

These retreads appear as a new tire;
No seam to the tread;
Minimal risk of lamination; and
Labor-efficient retread process.


Disadvantages

High stresses applied to casing during curing will further develop flaws in older tires;
Casing variation requires different rubber thickness to be applied to different brands of tire, can cause excessive heat build up, or alternatively bead crimping;
Limited compounding and tread options; and
High cost.



Slab build

In this process, rubber is applied hot to the tire in layers the full width of the tire, creating a slick. Seams are staggered around the tire to prevent weak points in the tread. The tire is grooved to the desired tread pattern, and then cured in an autoclave.

Advantages

Multiple compounds can be put into one tire;
Best wearing retread;
Is not affected by casing variation;
Tread patterns can be easily customized; and
Staggered seam creates no weak points.

Disadvantages

Heat stresses applied to casing during curing will further develop flaws in older tires;
High labor content in process; and
Cosmetic regroover.


All systems of retreading — except remolding — are cured in autoclaves.

_________________
http://zeca4x4.blogspot.com/

http://zeca4x4.no.sapo.pt


Last edited by zeca4x4 on Wed Sep 24, 2008 3:40 pm; edited 2 times in total
Back to top Go down
View user profile http://www.zeca4x4.no.sapo.pt
zeca4x4



Number of posts : 422
Localisation : Lx
Registration date : 2006-11-09

PostSubject: Re: Processos de recauchutagem   Wed Sep 24, 2008 3:34 pm

Normalmente, e porque é a expressão mais usada na giria, usa-se a expressão recauchutados para denominar os pneus reconstruidos segundo diversos processos de fabrico distintos.

Fiz alguma pesquisa sobre o tema e vou começar pela escassa informação que consegui sobre os fabricantes de pneus recauchutados nacionais.

RECIP
QUALIDADE E SEGURANÇA

Existe algo em comum entre o pneu Remold e um pneu recauchutado? São dois produtos completamente diferentes. O pneu Remold, você já sabe: é produzido a partir de estruturas especiais (carcaças)importadas, testadas milimétricamente, utilizando-se tecnologia, máquinas e equipamentos de última geração. O processo consiste em remover a borracha das carcaças selecionadas, de talão a talão, após o que, o pneu é totalmente reconstruído e vulcanizado sem qualquer emenda, proporcionando perfeito balanceamento, apresentação e segurança no uso. Além disso, os pneus RECIP são testados individualmente, em cinco fases de sua fabricação.


Sobre remold segundo um fabricante Brasileiro:

A remoldagem de pneus é uma tecnologia de última geração, que nasceu na Itália, em meados dos anos 70, com o intuito de obter um produto competitivo com a indústria de pneumáticos novos, que permite a reconstrução de pneumáticos usados.

Não se trata de recapagem ou recauchutagem, o processo de remoldagem restitui por completo as características essenciais de um pneu novo, permitindo que ele volte ás prateleiras de forma que dispute ao mesmo nível de um pneu nunca rodado.

Além disso, com o grande impacto ambiental que vive o planeta, buscou-se um melhor aproveitamento dos pneus quando chegavam ao fim de sua vida útil, fazendo com que a remoldagem se tornasse uma saída tanto para o meio ambiente, quanto para a economia.


Entrevista no brasil sobre o tema:
http://www.garagemecia.com/2007/08/pneu-remold-com-alessandro-m-dal-ponte.html




SEIÇA
Transcrito do site da Seiça - Reconstrução de Pneus:

Seleccionando o processo, segundo critérios pré estabelecidos em função das utilizações finais previstas, as fábricas da Seiça - Reconstrução de Pneus dispõem de tecnologia para operar em três métodos distintos:

Recauchutagem em molde;
no sistema de pré-vulcanizado (a frio);
ou em autoclave com escultura de pisos ou aplicação de bandagens.

Os três processos referidos, bem como o serviço autónomo de reparações, são assistidos por profissionais altamente treinados, por equipamentos tecnologicamente actuais, recorrendo a materiais cuja escolha é sempre baseada em critérios de qualidade e adequabilidade.

Actualmente, a empresa está dotada de meios e tecnologia para executar com elevados padrões de qualidade os trabalhos esquematizados na reconstrução dos seguintes pneus:

Turismo: Reconstrução em Molde Integral e Semi-Integral e Autoclave;

Comerciais: Reconstrução em Molde integral e Semi-Integral, Pré-Vulcanizado com pisos EIB e Dunlop e Autoclave;

Pesados: Reconstrução em Molde integral e Semi-Integral, Pré-Vulcanizado com pisos EIB e Dunlop e Autoclave;

Agrícolas: Reconstrução em Molde Semi-Integral e Autoclave;

Engª Civil: Reconstrução em Molde Semi-Integral, Pré-Vulcanizado e Autoclave;

Bandagens: Autoclave.

_________________
http://zeca4x4.blogspot.com/

http://zeca4x4.no.sapo.pt
Back to top Go down
View user profile http://www.zeca4x4.no.sapo.pt
zeca4x4



Number of posts : 422
Localisation : Lx
Registration date : 2006-11-09

PostSubject: Re: Processos de recauchutagem   Wed Sep 24, 2008 3:56 pm

Link interessante para o site da Goodyear onde se pode ver o processo de recauchutagem da marca.

http://www.goodyear.com.br/retread/technology.html

_________________
http://zeca4x4.blogspot.com/

http://zeca4x4.no.sapo.pt
Back to top Go down
View user profile http://www.zeca4x4.no.sapo.pt
Sponsored content




PostSubject: Re: Processos de recauchutagem   Today at 5:16 pm

Back to top Go down
 
Processos de recauchutagem
View previous topic View next topic Back to top 
Page 1 of 1

Permissions in this forum:You cannot reply to topics in this forum
 :: TÉCNICA :: Jantes e Pneus-
Jump to: